Atender de forma humanizada significa focar cada vez mais nas necessidades do paciente. Quando isso acontece, as chances de cura e recuperação são maiores, a medida em que mantem a sua saúde emocional e mental fortalecida, fator que é primordial para o restabelecimento do vigor de qualquer pessoa. Pensando nisso, o Hospital Municipal de Bertioga (SP), administrado pelo INTS, implantou a ação “Quem sou eu?”, que busca resgatar a identidade de cada paciente por meio de uma coleta de informações sobre a história de vida deles.

Cada paciente, quando internado, é conhecido apenas pelo primeiro nome e número do seu leito e com essa ação o mesmo terá um cuidado especial individualizado e centralizado, resgatando suas preferencias e proporcionando uma melhor assistência. São coletadas informações como nome completo, a maneira que gosta de ser chamado, idade, data da internação, motivo da internação, o que gosta de conversar, quantidade de pessoas na família, passatempo, músicas e comidas favoritas, maior medo e bicho de estimação. Assim, torna maior o vínculo do paciente com a equipe multidisciplinar do Hospital Municipal de Bertioga.

Para a diretora administrativa do hospital, Ana Patrícia Palma, a ação tem como objetivo acolher e tratar o paciente de forma cada vez mais cuidadosa. “O que somos e pra quem somos… isso é o que importa. Para uns somos Sr. e Sra., para outros somos um apelido de criança, um modo de chamar afetuoso. No final das contas, somos tantos e deixamos também um pouco do que somos no outro”, explica.