Ação surgiu a partir de conversa entre enfermeira com pacientes que já estavam internados há dias, na unidade, e reclamavam pela aparência, com barbas e cabelos grandes: ação melhora o emocional e pacientes elogiam

Ficar um, dois, até três meses internado em um hospital não é nada fácil. Mas para usuários da saúde pública que estão no Hospital de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (Hugo), uma ação fez a diferença, nesta quinta-feira, 20. Dois voluntários barbeiros foram até a unidade, para atender um pedido dos pacientes: eles achavam que o tempo de internação, as barbas e os cabelos grandes já estavam incomodando a autoestima.“Foi durante uma visita aos leitos que essa história começou. Um paciente estava bem cabisbaixo, e me disse que o cabelão e a barba grande eram motivo para aquilo. Sei que não é função da saúde pública o corte de cabelos, e por isso, pedi aos superiores autorização, para convidar dois amigos que são barbeiros para virem ao hospital fazer a ação na ala toda, com todos os pacientes que tivesse interesse”, disse a enfermeira e coordenadora da Clínica Médica, Sandra Karen Mendonça de Almeida.

O pedido foi encampado pela Chefia de Enfermagem do Hugo, que determinou a disponibilização equipamentos de proteção individual para os barbeiros Celma e Lucas. E assim foi feito: os dois foram leito por leito, para quem tinha interesse no serviço, e fizeram cabelo e barba. A cada troca de pacientes, uma troca de paramentos, para se evitar a contaminação cruzada. Com cuidado, carinho e muita bondade, tudo foi feito, de modo que os pacientes não pouparam elogios.Internado há quase três meses, Sérgio Luiz, de 46 anos, não tirava os olhos do pequeno espelho, durante o corte. Ele disse que nunca viu uma ação como essa em hospitais por onde passou. “Não é em qualquer hospital não, eu duvido que qualquer um faça o que eles fizeram hoje. A diretoria, a equipe médica, todos estão de parabéns. Aqui a gente é muito bem tratado”, elogia.Depoimento que também enche os profissionais de orgulho, partiu de Dinomarkes Camargo da Silva, de 38 anos. Ele diz que a iniciativa é agradável, e valoriza os pacientes. “Tenho a agradecer muito por estar internado aqui e receber um tratamento tão bom. Eu fico até emocionado com o tratamento, porque percebemos que os profissionais são muito dedicados e procuram nos agradar de todas as formas”.

Psicóloga, coordenadora multiprofissional e responsável pela execução do What Matters to You (O que importa para você) no Hugo, Letícia Vieira aponta que a iniciativa é importante para a valorização do paciente como pessoa, que quando se está internado, o tratamento hospitalar não é só voltado para a doença em si; há também o tratamento emocional, e a autoestima é importante. “Todas as atividades que o hospital possa fazer para que o paciente se sinta bem, fará com que ele tenha melhora, se sinta melhor, e o tempo de recuperação é diminuído”. “Nós temos por missão, aqui no Hugo, fazer até mais do que somos contratados, para que o paciente e a família dele se sintam bem. Se alguma burocracia nos impede, o lado humano fala mais alto, e é por isso que o hospital tem, a cada dia, se transformado em uma referência de atendimento humanizado. Somos pessoas que cuidam de pessoas”, completa Letícia.