Um ano depois, as lembranças do período da luta contra o coronavírus ainda são fortes e latentes para o taxista de Salvador, Hemilton Bittencourt, 56 anos, casado e pai de cinco filhos. Numa visita ao ringue desta luta – o Hospital Espanhol, o ex-paciente compartilhou seus sentimentos de maio de 2020 e de maio de 2021, quando faz um apelo à população para cumprir as medidas preventivas.

Às 14:48 do dia 25.05.20, depois de 12 dias intubado e nove dias na enfermaria, Hemilton recebia alta do Hospital Espanhol, ainda com sequelas. Dificuldades de locomoção e muita fraqueza, mas cheio de vontade de aproveitar a nova vida que lhe foi permitida.

Quando foi extubado, ele disse lembrar de sonhos: “Tenho uns flashes na memória de ambulância, de ladeiras, de igrejas… Acho que sonhei enquanto estava sedado” – relata ele, sobre sua experiência em sedação.

Gratidão e Emoção

Num breve encontro com a Coordenadora das Enfermarias do Hospital, Claudiana Pereira, que o acompanhou durante parte do seu período de internação e o recebeu na visita de gratidão ao Hospital, eles se emocionaram e concordaram que Hemilton Bittencourt é um dos exemplos de vitória para a doença.

“Seu Hemilton chegou num quadro grave, dessaturando, sem resposta à pronação (posição de bruço)… com comorbidade, porque é hipertenso e diabético, e saiu curado. É um exemplo de superação!” – comemorou Claudiana Pereira.

Depois de um mês da alta, o motorista de táxi voltou a caminhar sem ajuda e aos poucos foi retomando suas atividades. Hoje, ainda sente dormência na perna e se diz privilegiado por ter sobrevivido ao mal do século.

Hemilton Bittencourt, que é um home de muita fé, chegou a gravar um vídeo de despedida para a família, antes de ser intubado e explica: “Eu não sabia o que ia acontecer e se eu ia voltar… Mas Deus me deu uma nova chance. E aqui estou para provar que Ele existe e o poder da fé nos move.”