Captação de órgãos no Hugo movimenta megaestrutura

Captação de órgãos no Hugo movimenta megaestrutura

Fígado e coração, encaminhados para pacientes de São Paulo, foram escoltados e levados por jatinho da Força Aérea Brasileira; córneas e rins foram recebidos por pacientes de Goiás

Mais uma megaoperação foi realizada pela continuidade da vida, no Hospital Estadual de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (Hugo), nesta segunda-feira (19/04). Depois que a família de um paciente jovem, de 19 anos, deu o “sim” para a doação, os órgãos foram captados na unidade. Ao todo, seis pacientes de Goiás e São Paulo foram receptores.

Era cerca de 9 horas, quando o jatinho da Força Aérea Brasileira (FAB) interrompeu o tráfego aéreo e pediu permissão para pouso no Aeroporto Internacional de Goiânia. No interior da aeronave, uma equipe médica de captadores de São Paulo estava a caminho do Hugo, para buscar coração e fígado, doados. Às 13h20 a equipe deixou o Centro Cirúrgico e seguiu em uma ambulância do Corpo de Bombeiros de Goiás, acompanhada por motociclistas batedores, da mesma corporação. O destino era a aeronave, que tomaria rumo à capital paulista.

Logo em seguida, outra equipe médica de captadores, já de Goiás, iniciou o procedimento para a remoção de duas córneas e dois rins. A cirurgia terminou às 14 horas. Esses órgãos e tecidos ficam para Goiás. Cinco pacientes são os receptores, e ganham, nesta ocasião, uma nova oportunidade de sobreviver.

O SIM
O paciente doador é um jovem, que deu entrada no Hugo depois de um acidente de trânsito entre dois carros. Ele não apresentava COVID-19, conforme exames laboratoriais. Mesmo com todo o empenho para a recuperação, o rapaz, de 19 anos, teve o protocolo de morte encefálica finalizado. A família, que participou de todo o tratamento e estava ciente de todo o contexto desde a abertura do protocolo, os exames que eram realizados e os resultados que apresentavam, quando foi entrevistada sobre a possibilidade de doação de órgãos foi clara, e deu um “sim” pela continuidade da vida.

“É este ‘sim’, mesmo num dos piores momentos que todos os membros familiares estão passando, que proporciona vida a pessoas que estão na fila para receber um órgão. São gestos como esse, que nos motivam a acreditar no ser humano”, disse a enfermeira especialista em transplantes e presidente da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (Cihdott), Tânia Lemos.

Tânia ainda ressalta que o Hugo é referência em captação de órgãos, e mesmo com a pandemia, quando houve queda nos números de doações, a unidade já obteve números expressivos.

HUGO
Em janeiro de 2021, o Hugo teve oito famílias que foram entrevistadas sobre a possibilidade de doação. Ao todo, três aceitaram a doação. Foram captados dois rins, um fígado e duas córneas. Em fevereiro, apenas duas das 4 famílias entrevistadas aceitaram doar. Mais quatro rins e quatro córneas foram doados.

Em Março, das três entrevistas realizadas com famílias de possíveis doadores de órgãos no Hugo, apenas uma se mostrou disposta a doar. Mas só duas córneas foram captadas na unidade. Até esta segunda-feira (19), abril teve quatro autorizações de famílias. Foram dois corações, três fígados, oito rins e a mesma quantidade de córneas.

 

 

INTS promove ação para celebrar o Dia Mundial da Arte

INTS promove ação para celebrar o Dia Mundial da Arte

Promover um momento de relaxamento e estimular a expectativa de melhora e de alta. Foi com essa finalidade que o INTS entregou um kit com livro de colorir e lápis de cor aos pacientes internados com covid-19, nos estados de Goiás, São Paulo e Bahia. A ação, que foi realizada em todos as unidades geridas pelo Instituto, também celebrou o Dia Mundial da Arte. “Foi extremamente gratificante. Vimos a alegria dos pacientes, se sentindo importante e sendo lembrado com um outro olhar de cuidado e atenção. Recebemos muitos sorrisos e agradecimentos”, ressalta a enfermeira do Hospital Municipal Guarapiranga (HMG), em São Paulo, Viviane Araújo.  Quem participou da ação foi o paciente internado no HMG, J.V.L, de 76 anos. “Sempre gostei de Pintar, não imaginava que ia pintar hoje no Hospital”, celebrou.

No Hospital Municipal de Bertioga (HMB), no litoral de São Paulo, não foi diferente. A iniciativa envolveu pacientes e colaboradores da unidade, que festejaram a iniciativa. “O nosso objetivo é propiciar um momento diferente na vida daqueles que estão na luta contra o coronavírus. E o simples fato de colorir um livro pode contribuir para a alta hospitalar”, afirma a diretora do HMB, Ana Patrícia Palma.

Confira alguns registros da ação nas unidades geridas pelo INTS ao redor do país.