O Hospital de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (Hugo) realiza nesta semana a campanha de vacinação contra a Influenza entre seus colaboradores. O período de vacinação inicia nesta segunda-feira, 13 e vai até a próxima quarta-feira, 15, sendo dividida em três períodos matutino, das 09 às 12 horas; vespertino, das 13 às 18 horas e noturno, das 19 às 20 horas.

De acordo com a Gerente Assistencial do Hugo, Janine de Paula, as vacinas que estão sendo utilizadas no hospital foram cedidas pela Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia, totalizando cerca de 1700 doses. “Seguindo as recomendações de evitar aglomerações como um procedimento preventivo à disseminação da COVID-19, a vacinação dos trabalhadores ocorrerá in loco por setor. A equipe de vacinação será composta de três profissionais (triador/vacinador), dos quais farão revezamento de setores com o objetivo de atender a todos que estejam trabalhando nestes dias”, explica.

O público-alvo para participar da vacinação são todos os trabalhadores que atuam na unidade. Além dos profissionais da assistência, incluem-se profissionais da diretoria, área administrativa, serviços diversos, nutrição, farmácia, imagem e diagnóstico, motoristas, entre outros.

Este ano, o Ministério da Saúde alterou o início da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe para proteger de forma antecipada os públicos prioritários contra os vírus mais comuns da gripe. A vacina contra Influenza não tem eficácia contra o coronavírus, porém, essa imunização específica vai auxiliar os profissionais de saúde, neste momento, na exclusão do diagnóstico para Covid-19. Além disso, a vacinação contra a gripe ajuda a reduzir a procura por serviços de saúde.

Composta por vírus inativado, a vacina é trivalente e protege contra os três vírus que mais circularam no hemisfério sul em 2019: Influenza A (H1N1), Influenza B e Influenza A (H3N2).

Sobre a Influenza

A Influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. É de elevada transmissibilidade e distribuição global, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais.

A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém contaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto a boca, olhos e nariz.

A síndrome Gripal se caracteriza pelo aparecimento súbito de febre, cefaleia, dores musculares (mialgia), tosse, dor de garganta e fadiga. Estas são as manifestações mais comuns. Nos casos mais graves, geralmente, além dos sintomas da síndrome gripal, o paciente apresenta dificuldade respiratória e necessidade de hospitalização, situação denominada síndrome respiratória aguda grave (SRAG), sendo esta de notificação compulsória.

A Vacina Influenza é trivalente e protege contra Influenza A (H1N1), Influenza A (H3N2) e Influenza B. A dose para adultos é de 0,5 ml, administrada via intramuscular. É contraindicada para qualquer pessoa com história de reação anafilática prévia ou alergia severa ao ovo de galinha e seus derivados, ou pessoas que já apresentaram quadro de reação alérgica grave após receber dose anterior da vacina Influenza.

Entre os grupos prioritários para receber a vacina contra a influenza, os trabalhadores da saúde estão inseridos na primeira fase da campanha, sendo esta uma prioridade nacional.