O que importa para você?

Essa pergunta pode parecer simples, mas quando apresentada a uma pessoa em estado de vulnerabilidade, a resposta pode ser surpreendente.

E afinal, o que significa esse movimento?

Ele teve início nos Estados Unidos, quando CEO do instituto norte-americano Healthcare Improvement em 2010, Maureen Bisognano foi uma das pessoas que desafiaram os profissionais de saúde a terem conversas mais próximas com os pacientes e familiares. A campanha aderida internacionalmente é conhecida como “What Matters to You?”.

Visando conhecer o paciente melhor e entender sua dor de forma ampla, o profissional em sua anamnese faz essa pergunta ao paciente, porém a resposta muitas vezes é subjetiva. O INTS SACA participa desse movimento e realiza ações em várias de suas unidades.

Na URSI na Cidade Ademar, em São Paulo, a ação é realizada desde dezembro de 2017, por meio de sua equipe Multiprofissional. A URSI é uma Unidade de Referência Saúde do Idoso, na capital paulista, que busca a reabilitação de idosos fragilizados e procurar reabilitá-lo para que tenha maior qualidade de vida.

Uma dessas ações foi desenvolvida com a Sra. Cleonice, 87 anos, quando passou em avaliação de fisioterapia na unidade, ela havia sofrido uma queda e estava com dor em seu quadril esquerdo. A dor piorava quando ela caminhava um pouco mais, e ao passar da posição sentada para em pé era muito desconfortável. Diante sua piora Dona Cleonice, estava desanimada e desmotivada. Iniciou o tratamento fisioterápico e desde a primeira sessão foi incentivada a realizar os exercícios também em seu domicílio, mas como sentia dor, realizava de acordo com suas possibilidades e sem grande entusiasmo.  Na terceira sessão de atendimento, chegou à sala de Fisioterapia, ainda com quadro de dor e com sua pressão um pouco mais alta que o habitual. A paciente recebeu todos os cuidados necessários para sua reabilitação e contou que seu neto tinha te convidado para fazer trilhas e visitar cachoeiras na Chapada Diamantina e ansiava melhorar para poder realizar as trilhas. Isso era o que o que realmente importava pra ela.

A fisioterapia já vinha promovendo a reabilitação física, mas a partir desse momento passou a ter o objetivo mais importante, a preparação de Dona Cleonice para Trilhas na Chapada! Então todo o protocolo de reabilitação passou a contar com as novas metas, o sobe e desce de uma trilha e a necessidade de resistência, força e um bom equilíbrio. A dupla terapeuta e paciente, seguiu motivada e após algumas sessões e muita dedicação e foco da “Dona Cleo”, as malas estavam prontas! Quatro meses depois de iniciar a fisioterapia, Dona Cleonice partiu para a viagem em família, para realizar aquilo que realmente importava pra ela naquele momento da vida.

No retorno da viagem, em sua sessão de reavaliação para alta, Dona Cleonice contou seu desempenho ao realizar 1h30 de trilha, seu banho de rio, a alegria de seus familiares e relatou: “Há muito tempo eu não era tão feliz!”.