No Hospital Espanhol, paciente ex-tabagista, com dificuldade de locomoção e com esquizofrenia, volta para casa, depois de mais de dois meses na UTI

“Foram 63 dias. Tempo exato que Zenon Rosa esteve conosco. A COVID se somou a diagnósticos prévios que poderiam ter limitado o seu tempo de vida. Mas o nosso guerreiro, bravamente, não desistiu da luta. Nem ele, nem a equipe… Lutamos juntos. Sua reabilitação começou aqui, na Unidade 4 do Hospital Espanhol. E aos poucos, Zenon já cantava, dançava, passeava e participava ativamente das visitas multi, acreditem! Se tornou um dos nossos. Criamos muita admiração por Seu Zenon que, diante de todas as adversidades, retornou para o seu afetuoso lar, curado da Covid, no último dia 21 de setembro. Por aqui, muita gratidão por esse desfecho esperançoso, de uma longa jornada, com o final de encher os olhos de felicidade. Obrigado a cada um de vocês que escreveram uma parte dessa história. Continuaremos torcendo pelo sucesso do nosso guerreiro.”

Este relato, emocionado, é do Enfermeiro Rafael Laranjeira, Coordenador das UTIs 3 e 4 do Hospital Espanhol – Centro de Tratamento para Covid. Zenon Rosa Silva dos Santos, 56 anos, deu entrada no Hospital Espanhol, no dia 20/07/21, para tratamento da Covid. Soteropolitano, solteiro, ensino fundamental incompleto, não realiza atividades laborativas. Suas despesas materiais são supridas com o apoio dos seus familiares. Ele é esquizofrênico com acompanhamento psiquiátrico, ex-tabagista e possui dificuldade de locomoção. Estes obstáculos para a inserção social são amenizados pelo acolhimento e cuidados por parte dos seus irmãos, com quem mora, numa casa, no bairro de Itapuã.

Durante o período de internação a comunicação entre o Hospital e a família foi frequente e constante. Estas comunicações são as doses de tranquilidade que paciente e familiares precisam, durante o tratamento e distanciamento. “A família de Seu Zenon, enviou para alguns colaboradores, bombons, em sinal de agradecimento” – comentou Rafael Laranjeira.

A assistência a um paciente Covid, em isolamento hospitalar, já é tarefa que requer atenção dobrada para a equipe multidisciplinar de saúde. E um paciente como Seu Zenon? Atenção e carinho triplicados. Que sorte de todos que as taxas de ocupação diminuíram, que os leitos não estão lotados, exigindo muito além do normal dos profissionais.

Assim, os 63 dias longe da família, num ambiente desconhecido, até então, foram vencidos por Zenon Santos e as suas comorbidades, fazendo dele mais um ganhador da luta contra a Covid. Mais um protagonista das histórias boas da pandemia!