Itens recebidos pela unidade de empresas ajudam familiares e pessoas internadas que não têm condição de comprar produtos a internação

O paciente que chega ao Hospital Estadual de Urgências de Goiás Dr. Valdemiro Cruz (Hugo) nem sempre tem condições de arcar com o custo de itens básicos, como roupas e kits de higiene pessoal. Para atender essa demanda, a Comissão de Humanização da unidade lançou o projeto de doação, incialmente com empresas, para que a pessoa internada e seu acompanhante possam, por exemplo, ter como escovar os dentes durante o período que precisarem ficar no Hugo para o tratamento.

No final de agosto, a Predial doou cem kits de higiene pessoal ao Hugo. O total de kit subiu para 300 na segunda-feira, 27, quando a Fractal Engenharia entregou mais 200 kits à Comissão de Humanização do hospital.

“Temos uma demanda por determinados itens para atender a necessidade de pacientes que não podem comprar por conta própria enquanto estão no Hugo. Essa demanda é apresentada pelo Serviço Social do hospital.

Entramos em contato com empresas e pedimos as doações”, explica a presidente da Comissão de Humanização da unidade, Célia Regina Santos. Junto com o projeto para receber doações dos kits, que foi iniciado no segundo semestre de 2021, a Comissão de Humanização quer também arrecadar roupas  e calçados para os pacientes. Não só com empresas, mas também com médicos, enfermeiros e profissionais de diversas áreas que trabalham no Hugo.

De acordo com Célia Regina, muitas vezes a pessoa sofre um acidente e a equipe de saúde que atende aquele paciente precisa cortar a calça ou a camiseta que ela usava no momento em que deu entrada no hospital. “Muitos não têm roupa para vestir depois na hora de ir embora. Por isso tentamos sensibilizar empresas e colaboradores da necessidade da doação.”

Entrega aos pacientes

Os kits de higiene que chegaram já começaram a ser usados por pacientes do Hugo. Uma paciente que veio de Valparaíso de Goiás transferida para o Hugo foi uma das que recebeu os itens para limpeza pessoal. Célia Regina explica que os kits ficam guardados na sala da Comissão de Humanização e são entregues de acordo com a demanda as alas do hospital.

Para Lidiany Leite, gerente nacional da Fractal Engenharia, é uma gratidão “que não tem como mensurar” poder ajudar os pacientes que precisam e muitas vezes os familiares não tem como enviar ou comprar itens de higiene básica. “Mesmo que nossa atuação seja indiretamente com o paciente, podemos levar a eles um pouquinho mais de dignidade. Isso deixa nossos corações aquecidos”, descreve.