UPAS de Caucaia otimizam atendimento para identificar pacientes com infecção generalizada

22 de abril de 2024

Confira também as nossas redes sociais:

As UPAS de Caucaia, administradas pelo Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde (INTS), passaram a adotar o Protocolo de Sepse para reconhecer e tratar com agilidade pacientes com infecção generalizada. As equipes de profissionais das unidades foram capacitadas para colocar em práticas novas condutas e reduzir índices de mortalidade por infecção generalizada.

A sepse, conhecida como infecção generalizada, é uma das doenças que apresenta alta taxa de mortalidade e pode ser desenvolvida por qualquer tipo de infeção. De acordo com o médico, Roberto Mendes, diretor técnico da UPA do Centro, uma simples crise de garganta pode evoluir para um quadro de septicemia. “É uma doença infecciosa que se alastra por todo o organismo. Pode surgir de qualquer tipo de infecção como de garganta, pulmão, de pele, urinária e outros. Esta infecção gera um processo inflamatório que pode afetar outros órgãos e desta forma colocar em risco a vida do paciente. A identificação precoce dos sinais e sintomas da sepse é determinante para reduzir riscos de mortalidade”, disse.

Os profissionais nas UPAS de Caucaia foram capacitados para agir com condutas padronizadas que garantem rapidez no diagnóstico e focam no rastreamento da infecção. “Ao identificar um paciente suspeito para sepse, como por exemplo, reconhecendo os sinais clínicos: febre, aumento da frequência cardíaca e diminuição da pressão arterial, a conduta seguinte é realizar os exames laboratoriais para analisar o estado geral de saúde do paciente e confirmar a suspeita. Os estudos mostram que com a identificação precoce e o início rápido do tratamento é possível reduzir os índices de mortalidade, por isso nas UPAS é muito importante já começar o tratamento com a antibioticoterapia”, explica Roberto Mendes.

A implantação de protocolo na assistência é uma das condutas que fazem parte das diretrizes de atendimento do INTS para oferecer atendimento baseado em evidências científicas atualizadas. “Padronizar a assistência é garantir que o colaborador mais experiente e o menos experiente executarão a mesma intervenção buscando garantir o melhor plano terapêutico. Dessa forma, temos maior efetividade e eficiência no atendimento”, destaca Murilo Marques, diretor-médico do INTS.

Sepse no Brasil

Um levantamento da Organização Mundial da Saúde, apontou que anualmente cerca de 11 milhões de pessoas morrem vítimas de sepse no mundo. O Brasil tem uma das maiores taxas de mortalidade, com aproximadamente 240 mil pessoas anualmente.

Hospital Guarapiranga apresenta quatro trabalhos no COSEMS 2024

Hospital Guarapiranga apresenta quatro trabalhos no COSEMS 2024

Unidade municipal de saúde conta com quatro projetos na 20ª Mostra de Experiências Exitosas dos Municípios O Hospital Municipal Guarapiranga, unidade da Secretaria Municipal de Saúde, gerenciada pelo Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde (INTS), apresenta, entre os...

ler mais