Reike em palestra e em sessões, para colaboradores do Hospital Espanhol

Reike em palestra e em sessões, para colaboradores do Hospital Espanhol

Depois de palestra introdutória, durante este mês de setembro, os colaboradores do Hospital Espanhol estão recebendo sessões de reike, às quintas-feiras.

No HE, o mês de setembro começou com palestra sobre reike para os colaboradores. Na tarde do dia 8, o médico psicanalista Heldon Patriarcha, especialista em saúde e espiritualidade, ministrou a palestra “O que é o reike e sua aplicabilidade”, para um grupo com cerca de 40 colaboradores, em que muitos nunca tinham ouvido falar sobre o reike.

E o que é o reike?

“O reike é uma técnica que usa a energia universal vital, ajudando não só na cura física, como na mental, na emocional e na espiritual. O reike desbloqueia a energia, regulando o seu fluxo, reequilibrando a saúde e o bem-estar, através dos chakras que são os centros energéticos, distribuídos pelo corpo. E a sua prática é feita pelo terapeuta especializado ou o mestre de reike, por meio da imposição de suas mãos, nos chakras da pessoa atendida” – explica o médico Heldon Patriarcha.

A palestra, promovida pelo NEPS – Núcleo de Educação Permanente em Saúde do Hospital Espanhol, teve o objetivo de esclarecer o conceito do reike e os benefícios da sua prática. Isto para a compreensão e conscientização do profissional de saúde sobre esta terapia de medicina alternativa que é secular. Esta apresentação introdutória serviu para aqueles que não a conheciam e que terão a chance de recebê-la, semanalmente, nos plantões diurnos das quintas-feiras do Setembro Amarelo.

O reike é de origem oriental, iniciado nas primeiras décadas do século XX e foi reconhecido pela OMS em 2017. No Brasil é oferecido pelo SUS como Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Assim como a arte-terapia, a meditação e a yoga.

No HE, o reike surpreendeu e agradou

Rogério Nascimento é enfermeiro da UTC – Unidade Transitória de Cuidados do HE, participou da palestra e recebeu do médico Heldon Patriarcha uma aplicação de reike, assim como todos os presentes que também quiseram. Ao término, aparentemente relaxado e meio sonolento, o enfermeiro comentou: “Dá para sentir uma diferença muito grande, entre o antes e o depois de receber o reike. Nós que somos da assistência, ficamos muito tensos, com noites perdidas, dores nas costas… E deu para dar uma relaxada”. Ele não tinha conhecimento sobre a função e os benefícios do reike, na área de saúde. “Inicialmente, eu achava que era uma religião, não sabia o quanto pode ajudar na cura, como medicina alternativa. Então, na palestra de hoje, ampliei meus conhecimentos e ainda saí me sentindo melhor do que cheguei” – contou o enfermeiro.

Uma colega de Rogério Nascimento, técnica de enfermagem da UTC do HE, Maria Cristina da Cruz, também nunca tinha ouvido falar sobre o reike. Teve o seu ministrado pelo palestrante e comentou, após a sessão: “O que mais me chamou atenção foi o conhecimento que adquiri sobre a possibilidade da troca de energia para o reequilíbrio e bem-estar. Quando me sentei para receber o reike, estava com dor de cabeça. Senti a energia das mãos de Dr. Patriarcha e a dor passou”.

O médico Heldon Patriarcha contextualizou a proposta da realização da palestra para os colaboradores do HE: “A redução e alívio do estresse, de dores musculares e de fadigas são alguns dos inúmeros benefícios que o reike proporciona. Portanto, é uma terapia bem adequada para o perfil dos profissionais que atuam no Hospital Espanhol, lidando com pacientes em quadro de covid”.

Cuidar de quem cuida é lema, é tema e é prática do INTS. Cuidar da saúde do colaborador é cuidar do seu maior recurso, o humano, que cuida da saúde de milhares de pessoas beneficiadas em centenas de unidades de saúde sob a sua gestão.

“O INTS está de parabéns! Por esta preocupação com a gente, por este cuidado com os seus colaboradores. Quero parabenizar de verdade e agradecer de coração à instituição” – fez questão de ressaltar a técnica de enfermagem, Maria Cristina da Cruz. E ela tem toda razão. Não é à toa que nosso coração é INTS!

COREN Bahia realiza palestra de capacitação para equipe de enfermagem do Hospital Espanhol

COREN Bahia realiza palestra de capacitação para equipe de enfermagem do Hospital Espanhol

O mês de setembro começou com uma palestra de capacitação para a Educação Permanente do Hospital Espanhol. Palestra sobre Registros de Enfermagem, ministrada pela enfermeira Juliana Brandão – Coordenadora da Câmara Técnica de Atenção Primária à Saúde do Coren-Bahia, no primeiro dia do mês.

Os Registros de Enfermagem em prontuários de pacientes são uma responsabilidade legal. E a forma da prática dos registros precisa ser respeitada e executada com ética, veracidade e idoneidade para segurança do paciente e da equipe de profissionais de saúde. São estes registros que documentam a rotina de vida do paciente em internamento e servem como base informativa para a assistência multidisciplinar.

“Nenhum profissional de saúde está autorizado a registrar ações que não as executou. Este é um dos princípios básicos da responsabilidade legal dos registros de enfermagem que são documentos legais para toda a equipe, para o cliente e para a instituição prestadora da assistência que a comprova com estes documentos” – ressaltou a enfermeira Juliana Brandão.

A palestra de capacitação permitiu a troca de experiências de forma interativa, esclarecimento de dúvidas e explanação de situações vividas no dia a dia da rotina hospitalar, por parte dos participantes.

A Coordenadora da UTI 6 do Hospital Espanhol, Enfermeira Jandnir Campos, participou da palestra e considerou o tema extremamente pertinente: “… porque nos ajuda na melhoria da qualidade da assistência. A gente percebe o quanto nós, colaboradores que atuamos diretamente na ponta da assistência, devemos ser alertados sobre a importância do prontuário eletrônico, documento que legitima toda a assistência prestada. Assistência não registrada é assistência não legitimada.”

Membro do NEPS – Núcleo de Educação Permanente em Saúde do Hospital Espanhol, a enfermeira Patrícia Fontes destacou que o registro é importante não só para atestar a assistência prestada ao paciente, mas também como elemento mensurador da qualidade e eficiência deste serviço de saúde, verificando pontos fortes e possíveis falhas para nortear estratégias de melhoria. “Foi excelente a palestra ter sido apresentada pelo Coren-Ba, pois traz à equipe um respaldo e uma proximidade ao órgão de conselho, mostrando assim que não é apenas o fiscalizar, mas também orientar” – comentou Patrícia Fontes, evidenciando as diferentes funções do órgão da categoria de enfermagem.

No encerramento, a facilitadora Juliana Brandão, ressaltou a importância da educação permanente na área de saúde: “O processo de qualificação dos profissionais é muito importante, em qualquer área. Na saúde não é diferente. Para o campo da enfermagem, o Coren está sempre de portas abertas para prestar este apoio de qualificação. E aqui, no caso do Hospital Espanhol, isto é fundamental e está sendo realizado. É uma unidade que foi reativada numa situação de emergência de saúde pública, na pandemia, com processos tão atribulados sendo implantados, em meio a uma doença desconhecida, inicialmente. Não basta organizar os processos, mas também treinar a equipe para a prática dos processos que vão reverberar em resultados positivos na assistência aos usuários.”

 

Copeiras do Hospital Espanhol prestam homenagem às nutricionistas

Copeiras do Hospital Espanhol prestam homenagem às nutricionistas

O Dia do Nutricionista, 31 de agosto, teve sabor especial no Hospital Espanhol. Sabor de carinho, admiração e homenagem às profissionais que planejam, prescrevem, avaliam, provam e cuidam das refeições hospitalares de todos os dias, para pacientes e colaboradores. E, desta vez, quem deu sabor à homenagem foi a equipe que transporta e serve as refeições: a equipe de copeiras!

Um lanche vespertino diferente, farto e surpresa, com mesa cheia, arrumada e florida, no Refeitório do HE, foi organizado pela copeira Sueli Sampaio com o apoio das suas colegas de função, para celebrar o Dia da Nutricionista, na tarde do dia 31 de agosto. E é claro que teve a voz e o violão de Marcos Barbosa, musicoterapeuta, puxando o coro dos presentes e fazendo as homenageadas dançarem. Se é HE, tem música no cardápio.

Dona Su, como é chamada pelos colaboradores do Hospital Espanhol, é dona de um dos sorrisos mais bonitos da Unidade. Sim, mesmo com a máscara a gente enxerga o sorrisão no seu olhar e na sua face inteira. Ela está no HE desde que o hospital reabriu como um Centro de Tratamento Covid, em 2020. Leva o cafezinho bem quentinho aos setores, serve o almoço no refeitório… “e você, meu filho, quer o quê?!”e cumprimenta todos nas suas andanças pelo imenso Hospital. Nunca a vimos triste ou mal-humorada. E quando encontra uma sessão de musicoterapia acontecendo pelos corredores, se une ao grupo, canta e dança. Afinal, a música une, as refeições satisfazem e o carinho renova.

O Dia é do Nutricionista e não do Copeiro. Este já passou e foi em 27 de abril. Mas Dona Su é pauta para todos os dias. Figura quase folclórica do HE. E como partiu dela a ideia de homenagearem as nutris, ela também merece fazer parte desta singela e amorosa materinha.

“Nossas nutricionistas transformam a alimentação em qualidade de vida. Estão sempre dispostas a cuidar da nossa saúde e do nosso bem-estar. Por isso, era impossível deixar que a data de 31 de agosto passasse despercebida. É o dia delas! E todos damos os parabéns a elas.” – falou e disse a copeira sorridente Sueli Sampaio.

A Coordenadora de Nutrição do HE, Aline Luquini, presente à homenagem, agradeceu em nome dela e de suas colegas: “Toda a equipe está muito grata por ser lembrada com tanto carinho, nesta surpresa tão bonita que foi feita para nós. Agradecemos a todos a demonstração deste amor que com certeza é reflexo do melhor que damos para fazer o nosso trabalho em equipe, servindo os pacientes e colaboradores das unidades”.

”Cores de uma UTI” é tema de concurso de desenhos entre colaboradores do Hospital Espanhol

”Cores de uma UTI” é tema de concurso de desenhos entre colaboradores do Hospital Espanhol

A UTI 2 do Hospital Espanhol realizou um concurso de desenhos a mãos livres, entre os seus colaboradores, praticando a arteterapia como meio de descontração, relaxamento e integração, no ambiente tenso de uma UTI com uma equipe de profissionais que cuida de pacientes vítimas da Covid, tentando salvar suas vidas.

“O concurso foi realizado numa fase de baixa ocupação de leitos, o que possibilitou que os desenhos fossem feitos dentro da própria UTI, num local onde disponibilizamos papéis no padrão de folha de ofício, no tamanho A4, e lápis de cor de tipos diferentes. Foram momentos mágicos de criação livre com resultados que nos surpreenderam. Momentos de ideias criativas e de arte, numa unidade hospitalar” – explica o Enfermeiro Uener Silva, Coordenador da UTI 2 do Hospital Espanhol que tem 25 leitos e onde ficam os pacientes com quadros mais graves de Covid. Ou seja, local de tensão e alerta permanente de cuidados.

Segundo o Coordenador Uener Silva, a ideia de criar o concurso foi no intuito de estimular a sensibilidade, a reflexão, a percepção e a imaginação dos colaboradores com a intenção de fugir um pouco da tensão encontrada na terapia intensiva. Criar laços de comunicação entre eles por meio da arte, desopilando o estresse diário do plantonista. Desta forma, cuida-se de quem cuida, bem no padrão INTS de ser e agir.

Durante pouco mais de um mês, 66 colaboradores fizeram seus desenhos e foram entregues cerca de 50. A maioria das criações foi individual, mas houve também desenho em dupla.

Como o que foi feito pelas enfermeiras Ana Carla Santos e Joelma Lemos, um dos três classificados como os melhores. Não houve colocação de 1°, 2° e 3° lugares. Três desenhos foram premiados, considerados como os melhores pela equipe de gestão do HE que analisou todos e teve dificuldade nas escolhas, diante da alta qualidade encontrada.

A premiação foi realizada na Sala de Treinamentos do HE, no último dia 18 de agosto, no prédio Administrativo, numa cerimônia simples, leve e alegre… exatamente como aconteceu todo o processo do concurso.
Os colaboradores desenhistas, que foram premiados, receberam das mãos da Diretora Geral do HE – Sílvia Herranz, da Gerente Administrativo-Financeira – Elane Reis e da Gerente Operacional – Claudiana Pereira, cestas contendo lanches, simbolizando a delícia que foi a realização e o resultado do Concurso “Cores de uma UTI”.

Além das enfermeiras Ana Carla e Joelma, também foram premiados Robson França e Elem Salvador, Técnicos de Enfermagem, com seus desenhos individuais. Elem não pôde comparecer ao evento. Mas recebeu sua Cesta de Lanches, levada por uma colega.

Em cada desenho um sentimento externado

“A gente escolheu o bonequinho gráfico, ‘Bento’, que está na moda, para ser o personagem do nosso desenho que mostra a trajetória do paciente da admissão à alta. Ele costuma chegar triste, inseguro, com medo do que vai acontecer e a família está em casa, ansiosa. Nós damos o nosso melhor na assistência, com todo o amor, para devolvê-lo ao seio da sua família, curado e feliz!” – assim Joelma Lemos interpretou para os presentes à premiação, o desenho que fez com a sua dupla, Ana Carla Santos. A Gerente Operacional do HE, Enfermeira Claudiana Pereira, considerou este desenho bastante simbólico e representativo da função de um hospital que é o receber o amor de alguém, tratá-lo e o devolver curado para os seus amores.

O Técnico de Enfermagem Robson França explicou a sua criação e deixou uma mensagem, como profissional da Linha de Frente: “Meu desenho representa a nossa vivência do dia a dia na UTI, com a equipe cuidando do paciente. Este é o nosso trabalho. Mas que não é só medicar, é também o conforto, a palavra, o acolhimento para o paciente melhorar. Trabalho muito importante e com grande reconhecimento na pandemia”.

Antes de iniciar a entrega das Cestas aos colaboradores premiados, a Diretora-Geral do HE, Sílvia Herranz, elogiou a ação. “Trazer o lúdico para a equipe de assistência que vive momentos de oscilações emocionais com o estresse do trabalho, demonstra a preocupação do gestor da unidade com a sua equipe. Um projeto que me chamou atenção e que quero parabenizar Uener Silva, pela iniciativa e realização” – disse ela.

A Gerente Administrativo-Financeira do HE, Elane Reis, ressaltou a importância do número alto de participantes no concurso, demonstrando o quanto os colaboradores precisam e valorizam as ações realizadas para eles, para cuidar da melhoria do seu bem-estar.

Os desenhos ficaram expostos, como uma galeria de arte, no hall externo da UTI 2, envoltos em plásticos, dentro dos padrões de controle de infecção hospitalar, mostrando as cores de uma UTI e deixando o HE mais colorido com uma parede de alegria. Assim é o HE!

Treinamento prático de hipodermóclise, no Hospital Espanhol, tem sido bimestral

Treinamento prático de hipodermóclise, no Hospital Espanhol, tem sido bimestral

O Treinamento Macro do último mês de junho para os colaboradores de enfermagem do Hospital Espanhol foi prático e de Hipodermóclise. E neste mês de agosto, o NEPS (Núcleo de Educação Permanente em Saúde) do HE promoveu mais duas turmas do treinamento para alcançar um maior número de colaboradores, incluindo os recém-chegados.

Em junho, foram oito turmas com uma média de 35 participantes em cada uma. Todas treinadas pela enfermeira de cuidados paliativos do HE, Paloma Passos. Em agosto, mais duas turmas foram formadas, nos dias 16 e 18. Desta forma cerca de 78% dos 449 profissionais de enfermagem do HE passaram pelo treinamento. Um treinamento que rendeu boas turmas.

E o que é Hipodermóclise?

É a administração lenta de soluções no espaço subcutâneo, sendo o fluido transferido para a circulação sanguínea. É muito utilizada para pacientes em fase terminal de vida que já apresenta dificuldades de puncionamento de veias e de deglutição para ingestão de medicamentos via oral.

“A gente tem precisado cuidar de muitas pessoas neste momento de vida, aqui no Hospital Espanhol. Onde a fragilidade capilar existe, onde o sofrimento existe e não tem mais como puncionar o acesso central ou periférico. Então tratamos adequadamente a dor, falta de ar, náusea, administração de antibióticos e outras condições também, para minimizar o sofrimento destas pessoas” – explicou a enfermeira paliativista Paloma Passos.

Por isso, a utilização do recurso do acesso de hipodermóclise é tão importante para paciente em fase terminal. Além de ser um procedimento simples e de manutenção fácil por parte da equipe. “Quando estamos em fim de vida, não queremos nada que nos gere mais sofrimento ainda” – enfatiza Paloma Passos.

Minimizar o sofrimento de pacientes terminais é o que fazem os profissionais de saúde da área de cuidados paliativos: cuidam do corpo, buscam compreender e acolher as emoções, na tentativa de uma partida menos sofrida, visando o descanso em paz. Que assim seja!

A pandemia tem sido uma escola de vida para a população mundial. E para os profissionais de saúde, esta escola é mais intensa e essencial para a sobrevivência dos infectados e adoecidos de Covid. A equipe do Hospital Espanhol não mede esforços para aperfeiçoar os processos de tratamento dos seus pacientes internados, ao longo dos seus dois anos e quatro meses de funcionamento como o maior Centro de Tratamento para a Covid na Bahia.

Treinamento sobre “Lesões e Coberturas” no Hospital Espanhol bate recorde de frequência

Treinamento sobre “Lesões e Coberturas” no Hospital Espanhol bate recorde de frequência

Neste mês de agosto, o Treinamento Macro para colaboradores da área de enfermagem do Hospital Espanhol foi sobre “Lesões e Coberturas” – treinamento para cuidados com a pele do paciente. E bateu o recorde de frequência, treinando um total de 405 profissionais.

Numa unidade, onde há pacientes que permanecem durante muito tempo em internamento, deitado no leito e com mobilidade comprometida pelo seu estado de saúde, as lesões em pele precisam ser prevenidas e muito bem tratadas.

A enfermeira Ilza Carla Anjos de Jesus, protegida até no nome, Enfermeira Referência da Comissão de Pele do Hospital Espanhol, foi responsável por ministrar os treinamentos instrutivos para proteção de pele de pacientes acamados, para nove turmas, durante este mês. A unidade que conta hoje com 449 profissionais de enfermagem, treinou 405 colaboradores deste total, entre enfermeiros e técnicos de enfermagem.
Tornando um dos treinamentos com o maior número de participantes dos já registrados pelo NEPS – Núcleo de Educação Continuada em Saúde do HE.

“É necessário que o profissional de saúde seja multidirecionado. Não podemos tratar o paciente somente da Covid, aqui no Espanhol, por ser o Centro de Referência da doença no Estado, mas tratamos o seu quadro geral de saúde, enquanto aqui permanecer sob os nossos cuidados. E os casos de lesão de pele são comuns nas condições de pacientes acamados por muito tempo. Temos trabalhado na prevenção, mas também temos enfrentado graus diversos de lesões” – explica a enfermeira Ilza Carla. Ela acrescenta que, muitas vezes, o HE recebe pacientes transferidos de outras unidades de saúde que lá estavam internados por muito tempo, tratando de algum tipo de doença diferente da Covid, contaminam-se do coronavírus e são regulados para o Hospital Espanhol. Quando aqui chegam, já vêm com lesões de pele, requisitando maior atenção da equipe de assistência.

José Edson Reis é Técnico de Enfermagem da UTI 2, participou de uma das turmas do treinamento e comentou: “Achei muito válido. Agregamos conhecimentos sobre a identificação do tipo de lesões e a melhor forma a ser utilizada para a sua cobertura que são os curativos. Enriqueceu meu conhecimento sobre o assunto”.

Para Cristiane Conceição, Técnica de Enfermagem da UTI 6 que também foi treinada, a prevenção é o grande segredo para as lesões, as chamadas úlceras de compressão. “Sou muito grata por participar de mais um curso de Educação Continuada promovido pelo INTS que sempre se preocupa em ofertar ao seu colaborador ampliação de conhecimentos técnicos, em prol do paciente. Só tenho a agradecer!”

As lesões de pele requerem um cuidado tão essencial que o Hospital criou a Comissão de Pele para definição de protocolos assistenciais nesta área. Uma área que quanto mais preventiva e pró-ativa for, melhores resultados vai dar, menores problemas terá de administrar. Assim segue na prática, a filosofia do INTS de priorizar o bem cuidar de seus pacientes e de cuidar bem de quem cuida, promovendo a educação continuada para os seus profissionais.

Texto por: Marília Simōes